III Encontro Nacional de Estudantes de Gerontologia e Gerontólogos 

Um ponto de encontro e partilha sobre o trabalho desenvolvido pelos gerontólogos e demais profissionais em prol do envelhecimento nas instituições portuguesas.


Enquadramento

O envelhecimento demográfico, enquanto processo à escala mundial, é um acontecimento fundamental que define a sociedade contemporânea (Soares & Fialho, 2011) e uma das mais significativas tendências do século XXI (UNFPA, 2012). A evolução dos cuidados de saúde, a melhoria das condições socioeconómicas, aliadas a fatores como o declínio da natalidade, da fecundidade e o aumento da esperança de vida, contribuíram para a acentuada progressão das tendências deste fenómeno (UN, 2015). Face a esta realidade, a sociedade assume um papel preponderante nos mecanismos que ativa para enfrentar as transformações - biopsicossociais - inerentes ao fenómeno do envelhecimento, nomeadamente ao nível dos sistemas de saúde e proteção social.

Em Portugal, os lares de idosos (atualmente designados por Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas - ERPI) derivam das antigas instituições asilares e constituem a primeira resposta social para as pessoas idosas. Atualmente, de acordo com DL 62/2012, assume-se como uma resposta social que visa proporcionar serviços permanentes e adequados à problemática biopsicossocial das pessoas idosas, contribuindo para a estimulação de um processo de envelhecimento ativo, da relação intrafamiliar e da integração social da pessoa. A evolução do número das principais respostas que visam o apoio à população idosa registou, entre 2000 e 2015, um desenvolvimento positivo (57 %), sobretudo as respostas SAD (71 %) e ERPI (66 %) (MTSSS, 2015). Paralelamente, assiste-se um cenário de crescente exigência e desafios, de rápida e permanente inovação, por parte de todos os atores sociais envolvidos neste processo, instigando a reflexão e o debate sobre o funcionamento das ERPI e a política de institucionalização em Portugal. 

Objetivos 

  • Analisar e refletir sobre o funcionamento das ERPI em Portugal
  • Analisar as competências dos profissionais das ERPI e o trabalho muli/inter/pluridisciplinar
  • Refletir acerca dos perfis de institucionalização
  • Atualizar conhecimentos relacionados com a intervenção em contexto institucional

Destinatários

  • Gerontólogos e estudantes de Gerontologia
  • Diretores técnicos e responsáveis por ERPI
  • Assistentes Sociais, Enfermeiros, Fisioterapeutas, Médicos, Psicólogos, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala
  • Estudantes de áreas das Ciências da Saúde e/ou Ciências Sociais